Practicing Kindness Online on World Kindness Day

Sunday is World Kindness Day, a day dedicated to education and inspiring people to choose kindness – in real life and online. At Snap, kindness is one of our core values, and it is on display daily. Extending and exhibiting kindness go hand-in-hand with safety as well, because so many online safety issues can stem from displays of inconsiderate or harsh behavior.

Findings from new Snap research show that three-quarters of Generation Z respondents reported being exposed to at least one online risk over a three-month period earlier this year. More than two-thirds of teens (68%) and 83% of young adults said they personally had fallen victim to some digital risk. About one in five (19%) teens cited that risk as online bullying or harassment, and that percentage was higher for young adults at 22%. Other personal risks for both age demographics included exposure to hate speech and various sexual risks.  

“Cyberbullying is corroding the online world,” said Nicholas Carlisle, CEO of Power of Zero, a non-profit that works closely with Snap and is launching a global program to teach online kindness from an early age. “It causes some to quit, others to escalate their online speech, and it stands in the way of the original promises of the internet of connection, collaboration and creativity. The antidote is for each of us to make a relentless commitment to kindness in our online speech and to use the tools that our social media platforms provide for blocking, reporting and getting help.”

Combating bullying and harassment

Bullying is something no one should have to experience, either in person or online. Snapchat’s Community Guidelines clearly and explicitly prohibit bullying, intimidation, and harassment of any kind. We don’t want it on the platform; it’s not in keeping with why Snapchat was created and designed. If someone is experiencing or witnessing a possible violation of our policies, including bullying or harassment, we encourage them to report it to us right away. 

We have in-app reporting tools where people can report specific Snaps (photos or videos) and accounts. Snapchatters can simply press and hold on a piece of content to report it to us or complete this online form at our Support Site. The form can be submitted by anyone, regardless of whether they have a Snapchat account. (Learn more about how reporting on Snapchat works here.) Reports are reviewed and actioned by Snap’s Trust and Safety teams, which operate 24/7. Enforcement might include warning the offender, suspending the account, or terminating the account entirely.

There’s also the ability to block or remove an offender by pressing and holding on the person’s name until a menu appears, including the heading “Manage Friendship.” At that dropdown, the Report, Block and Remove Friend options appear in red. We, of course, advise leaving any group chat where bullying or any unwelcome behavior might be taking place and reporting it to Snap immediately. Telling us about abusive or harmful content and behaviors help to improve the community experience for everyone. 

Parents, caregivers, and other trusted adults connecting with their teens using Snapchat’s new Family Center feature can also report accounts that may be of concern to them – and they can do so directly in the app. Future updates to Family Center will also include the ability for teens to inform their adult guardians that they made a report to Snap.

More research insights

The new Snap research examines various aspects of online life that contribute to overall digital well-being. The study surveyed teens, young adults, and parents of teens aged 13-19 in Australia, France, Germany, India, the UK, and the US between April 22 and May 10, 2022. Their responses accounted for online interactions from roughly February through April.   

A total of 9,003 individuals participated in this research, and full results* will be released in conjunction with international Safer Internet Day 2023 on February 7. We are sharing select findings on World Kindness Day, however, to encourage more empathetic and respectful interactions on Snapchat and across social media. 

We look forward to sharing the full results, including our first Digital Well-Being Index for each country and across all six, early next year. 

Until then, Happy World Kindness Day and let’s aim to embrace kindness not just on November 13 but throughout the year. 

- Jacqueline Beauchere, Snap Global Head of Platform Safety

The sample size for teens and young people was 6,002, including 4,654 who identified as using Snapchat. A total of 6,087 respondents identified as being users of Snapchat (including parents). Questions did not focus on users of any one social media platform in particular and instead asked about online interactions generally. 

Launching an Unprecedented Public Awareness Campaign on the Dangers of Fentanyl

Today, we are pleased to help launch an unprecedented public awareness campaign with the Ad Council, also funded by YouTube, to help educate young people about the dangers of counterfeit pills and illicit drugs laced with fentanyl.

Drug overdose-related deaths have skyrocketed in recent years, with 2021 seeing a 52 percent increase over the previous two years. Based on research from Morning Consult that we commissioned last year to better understand young people’s awareness of fentanyl, not only did we find that young people were significantly unaware of the extraordinary dangers of fentanyl, but it also brought to light the strong correlation between the larger mental health crisis and the increased abuse of prescription drugs. As a platform many young people use to communicate with their friends, we are committed to helping protect our community, and we believe we have a unique opportunity to inform Snapchatters about the deadly reality of fentanyl-laced pills. While we have been focused on doing our part to raise awareness and educate Snapchatters on our app, we also believe a holistic approach is needed. That’s why we worked with the Ad Council over the past year to build support for this important educational campaign, and we’re pleased to be launching this effort with the Ad Council and our industry partners. 

The campaign, Real Deal on Fentanyl, aims to educate young people living in the U.S. on the dangers of fentanyl and its prevalence in counterfeit prescription pills and illicit drugs. In the new public service ads, viewers will hear from former drug dealers as they teach high school students about the fentanyl crisis as part of their regular class subjects. Shatterproof, a national nonprofit dedicated to reversing the addiction crisis in the U.S., served as an advisor to the campaign production. Song for Charlie, a national family-run nonprofit dedicated to raising awareness about 'fentapills' — fake pills made of fentanyl, is also serving in an advisory capacity, alongside a panel of public health organizations and experts, to provide key insights and data and ensure all aspects of these initiatives are accurately and medically informed. You can read more about the campaign and access additional resources and social graphics here.

As part of this effort, Snapchat will also launch a series of new Augmented Reality Lenses, Filters, Stickers, and content that amplify the campaign's messages across our platform, which will also be available on our in-app drug educational portal, Heads Up. Additionally, Snap is providing $1 million in ad credits to the Ad Council and working with a group of Snap Stars to help spread the word with our community.

This campaign builds on the work we have been doing over the past 18 months to help combat the fentanyl epidemic, in close collaboration with parents, experts in counternarcotics and specifically the fentanyl crisis, and law enforcement organizations. Together, we have developed new in-app tools and content to directly raise awareness with Snapchatters about the dangers of fentanyl and launched Family Center, our in-app parental tool that gives parents insight into who their teens are communicating with on Snapchat. We have also dramatically improved our efforts to proactively detect and remove drug dealers who try to exploit Snapchat and increased our support for law enforcement investigations to bring these dealers to justice. You can read a recent update on our ongoing progress here.

While we believe this public awareness campaign is an important step in helping to educate young people and offer them important resources, we know there is still more work to be done. We will continue to prioritize the health and well-being of our community, work to develop more safeguards to help protect Snapchatters on our platform, and work with governments and technology and public health sectors on this urgent national crisis.

Continuando nossos esforços para combater a crise do fentanil nos EUA

Na próxima semana, o Snap vai lançar uma campanha de conscientização pública sem precedentes com o Ad Council para orientar os pais e jovens sobre os perigos de pílulas falsificadas com fentanil. No ano passado, o fentanil tornou-se uma das principais causas de morte de adultos na faixa etária de 18 a 45 anos nos EUA, e nós sabemos que especialmente os jovens estão em risco. É por isso que trabalhamos com o Ad Council durante mais de um ano para colaborar nesse esforço, que pela primeira vez reuniu Meta, Snap, YouTube e outras plataformas em torno de uma questão tão crítica. 

Essa campanha vai fortalecer o trabalho que fizemos nos últimos 18 meses para aumentar a conscientização sobre os perigos do fentanil diretamente em nossa plataforma, por meio de campanhas de vídeo, conteúdo original e recursos de organizações especializadas. Durante esse período, trabalhamos intensamente aprimorando nossos esforços para detectar e remover proativamente os traficantes de drogas que tentam explorar o Snapchat. Além disso, aumentamos o nosso apoio às investigações das autoridades policiais para levar esses traficantes à justiça. Estamos comprometidos em fornecer atualizações regulares sobre nosso progresso e, antes do lançamento da campanha, na próxima semana, vamos compartilhar a última visão panorâmica do nosso trabalho em curso para combater essa epidemia nacional. 

  • Fortalecendo nossa detecção proativa: continuamos a fortalecer nossas ferramentas de IA e de aprendizado que nos ajudam a detectar proativamente atividades envolvendo drogas perigosas no Snapchat. Nossos modelos mais avançados estão agora ajudando a identificar proativamente cerca de 90% das atividades que envolvem drogas ilícitas antes de qualquer Snapchatter ter a chance de nos informar, e continuamos a observar uma diminuição do número de relatos relacionados a drogas por parte de Snapchatters. Desde o outono passado, também observamos outro importante indicador de progresso: a diminuição dos conteúdos reportados pela comunidade relacionados às vendas de drogas, um indicador de prevalência de declínio. Em setembro de 2021, mais de 23% dos relatos relacionados a drogas por parte dos Snapchatters continham conteúdo especificamente relacionado com vendas e, como resultado dos trabalhos de detecção proativa, diminuímos isso para 3,3% desde o último mês. Continuaremos trabalhando para reduzir esse número ao menor possível.

  • Trabalhando em várias plataformas para encontrar traficantes de drogas: sabemos que os traficantes de drogas operam em diversas plataformas de mídia social e de comunicação, portanto também trabalhamos com especialistas para encontrar conteúdo relacionado a drogas ilícitas em outras plataformas que fazem referência ao Snapchat a fim de encontrar contas de traficantes de drogas no Snapchat e acabar com elas. Quando encontramos traficantes de drogas usando o Snapchat, além de banir suas contas também tomamos medidas efetivas para bloqueá-los, evitando a criação de novas contas. Também continuamos nossa parceria com a Meta para compartilhar padrões e sinais de atividades ou conteúdos sobre drogas ilícitas. Esperamos que outras plataformas nos acompanhem nesse esforço.

  • Aumentando nosso apoio à aplicação da lei: mesmo enfrentando turbulências econômicas ao longo do ano passado, continuamos a aumentar a equipe que apoia essas investigações para aplicação da lei. Vários membros da equipe vieram de carreiras tais como promotores de justiça e agentes policiais com experiência em segurança dos jovens. Esses investimentos nos ajudaram a fortalecer nosso apoio ao atendimento das solicitações de informações para o cumprimento da lei, que priorizamos com base na urgência. No caso de solicitações de divulgação emergenciais, que envolvam ameaças iminentes à vida e incluindo incidentes com fentanil, nossa equipe, que trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana, responde geralmente dentro de 30 minutos. Também continuamos a aprimorar nosso tempo de resposta para solicitações que não envolvam uma ameaça iminente à vida.

  • Lançamento de novas ferramentas parentais: apresentamos recentemente a Central da Família, nossa primeira ferramenta parental do aplicativo, que permite que os pais vejam uma lista de todas as pessoas com quem seus filhos adolescentes estão se comunicando no Snapchat. Se os pais virem uma conta preocupante ou desconhecida, inclusive alguma conta que suspeitam estar envolvida com atividades relacionadas a drogas, podem reportá-la com facilidade e confidencialidade às nossas equipes de Confiança e Segurança. Esperamos que essas ferramentas possam ajudar os pais a iniciarem diálogos importantes com seus filhos sobre segurança on-line e a importância de saber com quem eles estão conversando. Você pode ler mais sobre a Central da Família, inclusive como se inscrever, aqui.

  • Simplificando nosso processo de denúncias: atualizamos nosso processo de denúncias no aplicativo, reduzindo o número de etapas e adicionando mais categorias, incluindo uma para drogas. Assim, os Snapchatters podem relatar conteúdo ou contas prejudiciais de forma mais rápida e precisa.  Além disso, como parte do nosso objetivo contínuo de aprimorar nossos relatórios de transparência publicados duas vezes por ano, recentemente começamos a separar as drogas em uma categoria própria, para podermos fornecer detalhes adicionais sobre nossos esforços de fiscalização. 

  • Fornecendo proteções extras para adolescentes: queremos que o Snapchat seja seguro para todos, portanto temos proteções adicionais em vigor para dificultar que adolescentes sejam contatados por pessoas que não conhecem. Por padrão, Snapchatters menores de 18 anos precisam ser amigos mútuos antes de começarem a se comunicar uns com os outros. Os adolescentes só podem aparecer como amigos sugeridos para outros usuários se eles tiverem amigos em comum, e não permitimos que eles tenham perfis públicos. 

  • Aumentando a conscientização diretamente com Snapchatters: bloqueamos resultados de pesquisa por palavras-chave e gírias de drogas. Se os Snapchatters buscarem essas palavras, vamos direcioná-los para conteúdos sobre os perigos do fentanil criados por parceiros especializados, através do nosso portal dedicado no aplicativo, chamado "Heads Up". Ao longo do ano passado, continuamos a adicionar novos recursos de organizações líderes, tais como Song for Charlie, Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC), Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA), Community Anti-Drug Coalitions of America (CADCA), Truth Initiative e o SAFE Project. Desde o lançamento do Heads Up, mais de 2,5 milhões de Snapchatters receberam conteúdo proativo dessas organizações. Nosso programa de notícias, "Boa sorte, América", destaque em nossa plataforma de conteúdo Descubra, também dedicou uma série especial para educar Snapchatters sobre o fentanil, que já foi assistida mais de 900.000 vezes. 

  • Evoluindo o nosso Conselho Consultivo de Segurança: recentemente reformulamos nosso Conselho Consultivo de Segurança (SAB), com o objetivo de incluir membros que representam as muitas regiões geográficas de nossa comunidade global, questões relacionadas à segurança e áreas de especialização. Nosso novo Conselho inclui agora especialistas em riscos on-line, incluindo drogas letais, além de pais e sobreviventes. O novo conselho vai nos orientar sobre uma ampla variedade de questões e se reunirá pela primeira vez no final deste mês. Você pode ler mais sobre nosso novo SAB aqui.

Com o início da campanha do Ad Council, continuaremos a trabalhar com organizações especializadas para desenvolver recursos adicionais para os pais sobre a epidemia de fentanil, suas causas fundamentais e o que procurar. E continuamos profundamente empenhados em desenvolver tanto nosso trabalho operacional quanto educacional para combater essa crise, tanto no Snapchat quanto em toda a indústria tecnológica. 

Conheça o novo Conselho Consultivo de Segurança do Snap!

No início do ano, o Snap anunciou que o nosso Conselho Consultivo de Segurança (SAB) seria remodelado para aumentar e expandir o número de membros a fim de incluir diversas áreas geográficas, questões relacionadas à segurança e áreas de especialização. Para fazer isso, iniciamos um processo de seleção, convidando especialistas e pessoas de todo o mundo a expressarem formalmente seu interesse em fornecer orientação e diretrizes ao Snap em todos os aspectos da segurança. 

Recebemos dezenas de inscrições de pessoas e especialistas de todo o mundo que avaliamos por meio de um processo objetivo constituído de várias etapas, culminando com a aprovação, na esfera executiva, do comitê recomendado pela nossa seleção. Agradecemos a todos que se candidataram e demonstraram seu desejo de apoiar e trabalhar com o Snap nessas questões críticas. Nós ficamos muito honrados por essa manifestação de interesse e comprometimento. 

Hoje, temos o prazer de anunciar que o nosso Conselho Consultivo passa a contar com 18 membros, baseados em nove países e representando 11 regiões geográficas diferentes. O novo Conselho é composto por 15 profissionais de organizações tradicionais similares e sem fins lucrativos, voltadas para a segurança on-line, bem como tecnólogos, acadêmicos, pesquisadores e vítimas de danos on-line. Os membros são especialistas no combate a graves riscos à segurança on-line, tais como a exploração sexual infantil e abuso de drogas letais. Também têm ampla experiência em diversas questões relacionadas à segurança. Além disso, teremos 3 membros do Conselho que são jovens adultos e defensores da juventude. Selecionamos esses candidatos para assegurar que o Conselho tenha acesso imediato a importantes “vozes da juventude” e seus pontos de vista; para garantir que uma parte do Conselho inclua usuários engajados do Snapchat; e para buscar o equilíbrio entre as opiniões profissionais e as perspectivas práticas, partindo de um núcleo central demográfico da comunidade do Snapchat. 

O novo Conselho Consultivo de Segurança do Snap é composto pelas seguintes pessoas:

  • Alex Holmes, vice-presidente executivo, Prêmio Diana, Reino Unido

  • Amanda Third, pesquisadora acadêmica, Instituto de Cultura e Sociedade, Universidade de Western Sydney, Austrália

  • Castra Pierre, jovem adulta, integrante do Conselho Digital da Juventude da USAID, Haiti 

  • Ed Ternan, presidente, Song for Charlie, EUA 

  • Hany Farid, professor de ciência da computação, Universidade da Califórnia, Berkeley, EUA

  • Jacob Sedesse, jovem adulto, estudante e jornalista da área de tecnologia em meio período, EUA

  • James Carroll, Jr., ex-diretor do Gabinete de Política Nacional de Combate às Drogas, EUA

  • Janice Richardson, conselheira internacional de direitos das crianças e cidadania digital, Insight2Act, sediada na Holanda, com foco na Europa e norte da África

  • Justine Atlan, diretora-geral, eEnfance, França

  • Jutta Croll, presidente do Conselho, Stiftung Digitale Chancen (Fundação de Oportunidades Digitais), Alemanha 

  • Lina Nealon, diretora de iniciativas corporativas e estratégicas, Centro Nacional contra a exploração sexual (NCOSE), EUA 

  • Lucy Thomas, CEO e cofundadora, PROJECT ROCKIT, Austrália

  • Maria Loodberg, conselheira especializada, Friends/Fórum mundial anti-bullying, Suécia

  • Michael Rich, pediatra, fundador e diretor da clínica e laboratório de bem-estar digital para mídias interativas e distúrbios da Internet, Boston Children's Hospital, Escola de Medicina de Harvard, EUA

  • Okujala, rapper, criador de conteúdo, ativista de causas da juventude, Reino Unido 

  • Sudhir Venkatesh, professor, Universidade de Columbia, EUA 

  • Victoria Jayne Baines, professora de TI, Gresham College, Reino Unido

  • Yuhyun Park, fundadora e CEO, Instituto DQ, Singapura

“Graças à tecnologia, estamos mais conectados do que nunca, e o Snap desempenha um papel fundamental na promoção dessa interação social”, disse Jim Carroll, o antigo "Czar das drogas" da Casa Branca e atual diretor da Michael Best Advisors. “Tenho a honra de colaborar com o trabalho do Snap, fazendo parte do Conselho Consultivo e trabalhando para garantir que essa paisagem digital em constante evolução seja um lugar positivo e seguro para o crescimento contínuo da sua comunidade global.”

De Hany Farid, professor de ciência da computação, Universidade da Califórnia, Berkeley: “Nos EUA, uma criança que adere às mídias sociais tem em média 13 anos.” Demorará mais uma década para o córtex pré-frontal de uma criança estar totalmente desenvolvido. Assim como no mundo offline, temos a responsabilidade de proteger as crianças que fazem parte dessa enorme experiência on-line. “Eu me sinto motivado pela seriedade com que o Snap está assumindo os riscos que as mídias sociais representam para as crianças e estou ansioso para me juntar à sua equipe notável, para garantir que seus serviços (e de todos) sejam seguros para nossos cidadãos mais jovens e mais vulneráveis.”

"Snapchat é como os meus pacientes adolescentes falam uns com os outros; é a língua deles", disse Michael Rich, pediatra, fundador e diretor da clínica e laboratório de bem-estar digital para mídia interativa e distúrbios da Internet, Boston Children's Hospital, Escola de Medicina de Harvard. “Estou motivado pela percepção do Snap em buscar aconselhamento baseado em evidências sobre como a saúde física, mental e social da juventude é afetada tanto de forma positiva quanto negativa pela sua forma de comunicação nas mídias sociais visuais.”

O novo Conselho vai se reunir pela primeira vez este mês e, posteriormente, serão três reuniões por ano civil. Nossa reunião de inauguração incluirá uma visão geral da nova Central da Família do Snapchat, bem como uma prévia da nossa contribuição para o Dia Internacional da Internet Segura de 2023, em 7 de fevereiro. Os membros do Conselho não são remunerados pelo seu tempo, mas o Snap pode apoiar os programas e iniciativas de uma organização que se alinham com os objetivos do Snap. 

Queremos que todos que se inscreveram saibam que fazer parte do Conselho Consultivo de Segurança do Snap não é, de forma alguma, a única maneira de se engajar conosco em questões de segurança. Da mesma forma que desenvolvemos nossa nova ferramenta para pais e responsáveis, a Central da Família, planejamos chamar nossos membros do conselho consultivo, bem como outros especialistas e ativistas do mundo inteiro, para compartilhar opiniões e pontos de vista sobre políticas relacionadas à segurança, características do produto e outras iniciativas. Estamos ansiosos para consolidar esse progresso, continuando a promover a segurança do Snapchat e apoiando adolescentes e jovens que querem se conectar com amigos, criar e se divertir!

- Jacqueline Beauchere, Coordenadora de Segurança Global da Plataforma da Snap

Como oferecer apoio à saúde mental e ao enfrentamento do bullying no Snapchat

Na Snap, a saúde e o bem-estar da nossa comunidade são a nossa principal prioridade. Como jovens do mundo inteiro enfrentam questões de saúde mental, temos uma responsabilidade e, ao mesmo tempo, uma excelente oportunidade de dar suporte a Snapchatters, mantendo um espaço seguro para que eles se comuniquem com amigos e oferecendo a eles recursos essenciais.

Desde o início, o Snapchat foi projetado para ajudar amigos de verdade a se comunicarem e se divertirem juntos sem a pressão de curtidas e comentários, evitando os recursos mais tóxicos das mídias sociais tradicionais que incentivam a comparação social e podem provocar problemas de saúde mental. Sabemos que as conexões entre amigos também são uma forma fundamental de suporte para os jovens que enfrentam problemas de saúde mental, já que os amigos costumam ser o primeiro porto de acolhimento quando eles estão em sofrimento. Como uma plataforma construída para comunicação entre amigos reais, estamos em uma posição especial e única para ajudar. Podemos desempenhar um papel importante na prevenção do bullying e educação da nossa comunidade sobre como responder ao bullying e oferecer recursos para usar quando o próprio jovem ou algum amigo estiverem em dificuldade.

Neste Dia Mundial da Saúde Mental, estamos lançando um conjunto de novas campanhas de prevenção do bullying e de saúde mental em todo o mundo. Através de parcerias com organizações de especialistas locais, essas campanhas vão incentivar os Snapchatters a serem gentis uns com os outros e fornecer a eles ferramentas locais nas quais eles possam confiar se estiverem lidando com bullying ou problemas de saúde mental.

Uma das principais maneiras de apoiar a saúde mental dos Snapchatters é o nosso portal no aplicativo chamado Here For You (Estamos aqui para você). Lançado em 2020, o Here For You fornece suporte proativo no aplicativo para Snapchatters que possam estar enfrentando questões de saúde mental ou uma crise emocional, indicando recursos de organizações especializadas para os Snapchatters quando eles buscam por uma variedade de tópicos relacionados à saúde mental. Hoje, estamos anunciando expansões do Here For You em várias partes do mundo:

  • O conteúdo de divulgação sobre a nova linha de prevenção de crises e suicídio, a 988, nos Estados Unidos.

  • Em parceria com o 3114 na França, em um novo episódio com o objetivo de divulgar a linha direta nacional de prevenção de suicídio.

  • Implementação do Here For You na Alemanha e em parceria com o ich bin alles para desenvolver conteúdo em vídeo personalizado que aborde tópicos relacionados a depressão, estresse e muito mais.

  • Novo conteúdo na Holanda desenvolvido com o Stichting 113 Zelfmoordpreventie (Prevenção de Suicídio) para divulgar a linha direta de prevenção de suicídio e MIND com foco em como lidar com o bullying.

  • Novo conteúdo em parceria com a Fundação Nacional de Saúde Mental da Juventude e o ReachOut na Austrália, que inclui tópicos sobre como ser um bom amigo, como lidar com o estresse e como preservar a saúde mental. 

  • Juntando forças com o Sangath para trazer novos conteúdos para a Índia, cobrindo uma variedade de tópicos de saúde mental, incluindo como lidar com a ansiedade, lidar com a depressão e apoiar um amigo que lida com pensamentos suicidas.

  • O lançamento do Here For You na Arábia Saudita em parceria com o Ministério das Comunicações e Tecnologia da Informação, fornecendo dicas para como reagir ao bullying.

  • Apresentamos nossa segunda aula do Club Unity nos EUA e a parceria com a campanha do Conselho de Publicidade “Seize the Awkward” em Lentes de RAs e Filtros nacionais que incentivam os Snapchatters a conversarem com seus amigos sobre saúde mental.

Além de expandir o Here For You e atualizar o Club Unity, estamos trabalhando com parceiros locais de confiança para espalhar em nossa comunidade sobre suporte e recursos no local por meio de filtros nacionais, lentes e figurinhas:

  • No Canadá, fizemos uma parceria com a Kids Help Phone para promover seus recursos de saúde mental por meio de Lentes e Filtros e encorajamos os Snapchatters a buscar ajuda sempre que precisarem.

  • Fechamos parceria com o 3114 na Françapara divulgar a linha direta nacional de prevenção ao suicídio por meio de um filtro. Também criaremos uma parceria com o E-Enfance em uma campanha de prevenção de bullying que destaca sua linha direta para promoção do bem-estar digital.

  • Na Alemanha, também estamos trabalhando em Lentes em parceria com a ich bin alles que fornecem dicas sobre como ajudar um amigo que possa estar enfrentando dificuldades com a saúde mental.

  • Na Holanda, estamos trabalhando com o 113 em Lentes para compartilhar recursos críticos com aqueles que possam estar tendo pensamentos suicidas.

  • Na Noruega, estamos apoiando a campanha nacional de conscientização da saúde mental, o Verdensdagen para Psykisk Helse, com Lentes e Filtros, e uma parceria com o Mental Helse para promover a linha direta nacional de saúde mental com um Filtro.

  • Estabelecemos parceria com o PROJECT ROCKIT, na Austrália, para ajudar a fornecer aos Snapchatters táticas de resposta a bullying com Lentes, Filtros e Adesivos. 

Queremos que todos os usuários do Snapchat tenham uma experiência segura e positiva. Como uma plataforma projetada para ajudar amigos de verdade a se comunicarem de forma autêntica, temos o orgulho de ser uma ferramenta que os Snapchatters podem usar para se conectar uns com os outros e acessar recursos que possam ser fundamentais para sua saúde mental. Reconhecemos que há sempre mais a ser feito, e continuaremos a trabalhar para melhorar com essas novas ferramentas, recursos e parcerias para apoiar Snapchatters em dificuldade e o bem-estar geral da nossa comunidade.

Volta às aulas e priorizando a segurança online

Adolescentes e jovens em grande parte do mundo estão voltando para a escola e, ainda com a pandemia global, parece que eles estarão reentrando na sala de aula e interagindo com amigos e colegas de classe com consistência — tanto pessoalmente quanto online. Então, este parece ser o momento certo para lembrar as famílias e os adolescentes de ficarem alerta aos riscos online, continuar adotando bons hábitos e práticas online e entrar em contato se algo no Snapchat fizer você se sentir inseguro ou desconfortável.

Promover experiências mais seguras e saudáveis no Snapchat é a prioridade máxima para nós na Snap, e nada é mais importante do que a segurança e o bem-estar de nossa comunidade. Uma melhor compreensão das atitudes e comportamentos dos Snapchatters e daqueles que usam plataformas de mídia social mais tradicionais é uma parte essencial disto.

No início deste ano, realizamos novas pesquisas sobre vários aspectos da vida online que contribuem para o bem-estar digital em geral. Realizamos uma pesquisa com um total de 9.003 indivíduos, especificamente adolescentes (13-17 anos), jovens adultos (18-24 anos) e pais de adolescentes de 13-19 anos em seis países (Austrália, França, Alemanha, Índia, Reino Unido e Estados Unidos) sobre cinco dimensões do bem-estar digital. Detalhes* e resultados completos, incluindo nosso primeiro Índice de Bem-Estar Digital para cada país e em todos os seis coletivamente, serão divulgados em conjunto com o Dia Internacional da Internet Mais Segura 2023 em fevereiro. No entanto, estamos compartilhando algumas descobertas preliminares no período de volta às aulas, e como nossas novas ferramentas do Centro Familiar para pais e cuidadores continuam a se desenvolver em todo o mundo - tudo em um esforço para lembrar as famílias sobre a importância de se manterem seguros.

Avaliando riscos online

Para ajudar a determinar se adolescentes e jovens adultos estão prosperando online, com dificuldades ou algo no meio-termo, é necessário entender seu grau de exposição ao risco. Não é surpresa que nossa pesquisa confirma que quando os riscos online se tornam mais pessoais, a exposição tem um efeito negativo no bem-estar digital.

Várias formas de bullying e assédio online, incluindo provocações, xingamentos e constrangimento proposital, impactaram negativamente o bem-estar digital dos jovens, de acordo com nosso estudo. O mesmo pode ser dito em relação ao encontro de riscos sexuais e de automutilação online, como solicitação sexual ou pensamentos de suicídio ou automutilação.  

O que pode ser surpreendente, entretanto, é a aparente "normalização" de outros riscos online entre adolescentes e jovens adultos. Se passar por outras pessoas online, espalhar informações falsas ou enganosas e ser exposto a contatos indesejados são apenas alguns tipos de risco que têm correlações fracas com o bem-estar digital, de acordo com a pesquisa. Talvez as respostas dos jovens sejam ainda mais preocupantes. Quase dois terços dos entrevistados (64%) disseram que ignoram o mau comportamento online - ao invés de relatar isso à plataforma ou serviço relevante. Eles dizem que tal comportamento "não é nada de mais" e consideram isso como alguém que está "apenas expressando uma opinião". Com mais de um quarto (27%), em média, que disseram que os maus atores provavelmente não enfrentarão consequências sérias, e 9 em cada 10 entrevistados nesta pesquisa compartilharam uma série de razões apáticas para não relatar condutas que violam as políticas para plataformas e serviços online.

Importância dos relatórios

A indiferença em relação à denúncia continua sendo um tema recorrente em todas as plataformas de tecnologia, mas precisamos mudar essa tendência e incentivar adolescentes e famílias a nos informar quando as pessoas compartilharem conteúdo ou se comportarem de uma forma que viole nossas Diretrizes da Comunidade. Não é apenas a coisa certa a fazer, mas é uma maneira de tomar uma posição ativa para ajudar a proteger os companheiros Snapchatters. De fato, denunciar conteúdos e comportamentos abusivos ou prejudiciais - para que possamos lidar com isso - ajuda a melhorar a experiência da comunidade para todos. 

Snapchatters podem denunciar no aplicativo simplesmente pressionando e segurando o conteúdo ou preenchendo este formulário em nosso site de suporte. (Confira esta Ficha Informativa para saber mais.) Os pais e responsáveis que estão usando nossas novas ferramentas do Central da Família atualmente disponíveis na Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e EUA, também podem denunciar contas que possam ser problemáticas - e podem fazê-lo diretamente no aplicativo. O Central da Família estará disponível em outros mercados internacionais nas próximas semanas, e atualizações adicionais do Central da Família estão planejadas para o final deste ano. Isto incluirá a capacidade dos adolescentes de informar seus pais ou responsáveis que eles fizeram uma denúncia ao Snapchat.

Estamos ansiosos para compartilhar mais resultados da nossa pesquisa de bem-estar digital nos meses que antecedem – e no – Dia da Internet Mais Segura 2023, em 7 de fevereiro. Enquanto isso, vamos voltar às aulas com segurança online e bem-estar digital em mente!

- Jacqueline Beauchere, Coordenadora de Segurança Global da Plataforma da Snap

*O tamanho da amostra para adolescentes e jovens era de 6.002, incluindo 4.654 que se identificaram como usuários do Snapchat. Um total de 6.087 entrevistados identificados como sendo usuários do Snapchat (incluindo os pais). As perguntas não focaram em nenhuma plataforma de mídia social em particular e, em vez disso, foram feitas sobre interações online em geral.

Como prevenimos a propagação de informações falsas no Snapchat

Com as eleições de meio mandato se aproximando nos Estados Unidos, gostaríamos de destacar nossa abordagem de longa data para prevenir a propagação de informações falsas no Snapchat, e as etapas que continuamos a tomar para aprimorar nossa base sólida para a prevenção da propagação de informações falsas em nossa plataforma. 

Nossos esforços sempre começaram com a arquitetura da nossa plataforma. Com o Snapchat, queríamos construir algo diferente para capturar a espontaneidade e a diversão das conversas da vida real. Desde o início, incorporamos a segurança e a privacidade no centro do design da nossa plataforma. É por isso que o Snapchat abre diretamente para uma câmera e não para um feed de conteúdo sem fim, e é focado em conectar pessoas que já são amigos na vida real. Sempre quisemos que os Snapchatters fossem capazes de se expressar e se divertir com seus amigos — sem a pressão para fazer seu número de seguidores crescer, ganhar visualizações ou receber curtidas. O Snapchat reflete como normalmente nos comunicamos pessoalmente ou pelo telefone, porque a comunicação digital no Snapchat é excluída por padrão. Em todo o Snapchat, limitamos a capacidade de conteúdos sem moderação alcançarem um público grande. Fazemos isso mantendo um padrão mais elevado para conteúdos amplificados, de forma a garantir que estejam em conformidade com nossas diretrizes de conteúdo. À medida que o Snapchat foi evoluindo ao longo dos anos, sempre tentamos construir uma tecnologia que permitisse a criatividade e priorizasse a segurança, privacidade e o bem-estar da nossa comunidade.

Além da nossa arquitetura de base, há uma série de políticas importantes que nos ajudam a impedir a propagação de informações falsas no Snapchat:

  • Nossas políticas proíbem a propagação de informações falsas há muito tempo. Tanto as nossas Diretrizes Comunitárias, que se aplicam igualmente a todos os Snapchatters, como as nossas diretrizes de conteúdo, que se aplicam aos parceiros do Descubra, proíbem a propagação de informações falsas que possam causar danos — incluindo, por exemplo, teorias da conspiração, negação da existência de eventos trágicos, reivindicações médicas sem fundamento ou sabotagem da integridade de processos cívicos. Isso inclui o compartilhamento de mídia que seja manipulada para ser enganosa sobre eventos reais (incluindo deepfakes e shallowfakes).

  • Nossa abordagem para proibir conteúdo que inclua informações falsas é direta: remoção completa. Quando encontramos conteúdo que viole nossas diretrizes, nossa política é derrubá-lo, reduzindo imediatamente o risco de ser compartilhado mais amplamente. 

  • Em todo o nosso aplicativo, não permitimos que conteúdo que não passou por análise “se torne viral”. O Snapchat não oferece um feed de notícias aberto onde pessoas ou veículos de imprensa podem transmitir informações falsas. Nossa plataforma Descubra contém conteúdo de veículos de imprensa que passaram por análise, e o Holofote é moderado proativamente antes que o conteúdo esteja qualificado para alcançar um público grande. Oferecemos Chats de grupo, que tem tamanho limitado, não são recomendados por algoritmos e não podem ser descobertos publicamente em nossa plataforma se você não for um membro desse grupo.

  • Usamos processos de revisão humana para verificar os fatos de todos os anúncios políticos e de ativismo. Todos os anúncios políticos, incluindo anúncios relacionados às eleições e anúncios de questões de ativismo, devem incluir uma mensagem transparente “pago por” que divulgue a organização patrocinadora, e fornecemos acesso a informações sobre todos os anúncios passam revisão em nossa Biblioteca de Anúncios Políticos. Em conexão com as eleições dos EUA, criamos uma parceria com o Poynter Institute para verificar as declarações de anúncios políticos de forma independente. Além disso, para ajudar a mitigar os riscos de interferência estrangeira nas eleições, proibimos a compra de anúncios políticos de fora do país em que o anúncio será executado.

  • Estamos empenhados em aumentar a transparência em nossos esforços para combater as informações falsas. Nosso relatório de transparência mais recente, que abrange o segundo semestre de 2021, incluiu vários novos elementos, incluindo dados sobre nossos esforços contra informações falsas em todo o mundo. Durante esse período, tomamos medidas contra 14.613 conteúdos e contas por violações de nossas políticas relacionadas a informações falsas — e planejamos fornecer resumos mais detalhados dessas violações em nossos relatórios futuros. 

Para dar continuidade a isso, antes das eleições de meio mandato, também estabelecemos processos internos dedicados ao compartilhamento de informações e monitorar a efetividade das nossas políticas e outros esforços de mitigação de danos, garantindo a possibilidade de calibrar nossa abordagem conforme necessário. Também estamos consultando ativamente pesquisadores, ONGs e outras partes interessadas de todas as comunidades de integridade eleitoral, democracia e integridade da informação para garantir que nossas salvaguardas estejam ancoradas de forma responsável no contexto mais amplo das tendências emergentes e sejam baseadas em perspectivas informadas de especialistas.

Também estamos focados em fazer parcerias com especialistas para promover uma maior integridade das informações. Através da nossa plataforma de conteúdo Descubra, estamos focados em fornecer cobertura de notícias credível e precisa para a nossa comunidade, de veículos de imprensa como o The Wall Street Journal, The Washington Post, VICE e NBC News.

Também desenvolvemos uma ampla variedade de recursos no aplicativo para conectar usuários a informações cívicas, incluindo oportunidades de se registrar para votar ou até mesmo concorrer a algum cargo local. 

Fazer nossa parte para promover um ambiente responsável de compartilhamento de informações continua sendo uma prioridade fundamental da nossa empresa, e continuaremos explorando abordagens inovadoras para alcançar os Snapchatters onde estão e fortalecendo nossos esforços para proteger o Snapchat dos riscos de informações falsas virais. 

Introdução ao Centro da Família no Snapchat

Family Center Banner Image

Na Snap, acreditamos que nossos produtos devem refletir comportamentos humanos da vida real, e como as pessoas agem e se relacionam entre si em suas vidas cotidianas. Decidimos usar isso para construir coisas de forma diferente desde o início, com foco em ajudar os Snapchatters a se comunicar com seus amigos próximos em um ambiente que prioriza sua segurança, privacidade e bem-estar. 

É por isso que o Snapchat abre diretamente para uma câmera e não para um feed de conteúdo sem fim, e é focado em conectar pessoas que já são amigos na vida real. Sempre quisemos que os Snapchatters pudessem se expressar genuinamente e se divertir com seus amigos da mesma forma que fariam se estivessem reunidos pessoalmente — sem a pressão para ganhar seguidores, visualizações ou curtidas. 

Criar uma experiência segura e positiva para eles é fundamental para essa missão. Embora queiramos que nossa plataforma seja segura para todos os membros da nossa comunidade, temos proteções extras em vigor para adolescentes. Por exemplo, no Snapchat: 

  • Por padrão, adolescentes precisam ser amigos mútuos antes de poderem começar a se comunicar entre si. 

  • As listas de amigos são privadas, e não permitimos que adolescentes tenham perfis públicos. 

  • E temos proteções em vigor para dificultar ainda mais que pessoas estranhas encontrem adolescentes. Por exemplo, adolescentes só aparecem como um “amigo sugerido” ou em resultados de busca em casos limitados, como quando têm amigos em comum.

Hoje, o Snapchat é uma ferramenta central de comunicação para os jovens, e à medida que nossa comunidade continua crescendo, sabemos que os pais e responsáveis querem ter maneiras adicionais de ajudar a manter seus adolescentes seguros. 

É por isso que estamos introduzindo uma nova ferramenta dentro do aplicativo chamada Centro da Família, que ajudará os pais a obter mais informações sobre quem são amigos de seus adolescentes no Snapchat e com quem eles têm se comunicado, sem revelar nenhum conteúdo dessas conversas. 

Family Center 1

O Centro da Família foi projetado para refletir a maneira como os pais se relacionam com seus adolescentes no mundo real, onde os pais geralmente sabem quem são seus amigos e quando estão se reunindo pessoalmente — mas sem bisbilhotar em suas conversas privadas. Nas próximas semanas, adicionaremos um novo recurso que permitirá que os pais visualizem com facilidade novos amigos que seus adolescentes adicionaram.

No Centro da Família, os pais também podem denunciar de forma fácil e confidencial quaisquer contas que possam gerar preocupação diretamente para as nossas equipes de Confiança e Segurança, que trabalham 24 horas para ajudar a manter os Snapchatters seguros. Também estamos equipando os pais e adolescentes com novos recursos para ajudá-los a ter conversas construtivas e abertas sobre segurança online.

Para ajudar a desenvolver o Centro da Família, trabalhamos com famílias para entender as necessidades tanto dos pais como dos adolescentes, sabendo que a abordagem de cada um para a educação e privacidade é diferente. Também consultamos especialistas em segurança e bem-estar online para incorporar sua opinião e conhecimento. Nosso objetivo foi criar um conjunto de ferramentas projetadas para refletir a dinâmica das relações do mundo real e promover a colaboração e confiança entre pais e adolescentes. Saiba mais sobre como começar a usar a Central da Família assistindo a este vídeo explicativo:

No outono deste ano, planejamos adicionar recursos adicionais ao Centro da Família, incluindo novos controles de conteúdo para os pais e a capacidade de os adolescentes notificarem seus pais quando denunciarem uma conta ou conteúdo para nós. Monitoramos e selecionamos nosso conteúdo e plataformas de entretenimento de perto, e não permitimos que conteúdo não aprovado alcance um público grande no Snapchat. Apesar disso, sabemos que cada família tem opiniões diferentes sobre qual conteúdo é apropriado para seus adolescentes e queremos lhes dar a opção de tomar essas decisões pessoais. 

Nosso objetivo é ajudar a capacitar os pais e adolescentes de uma forma que ainda proteja a autonomia e privacidade do adolescente. Estamos ansiosos para continuar trabalhando em estreita colaboração com famílias e especialistas em segurança online para continuar melhorando o Centro da Família ao longo do tempo. Para saber mais sobre o Centro da Família e sobre como estamos trabalhando para manter os adolescentes seguros no Snapchat, confira este Guia do Snapchat para os pais.

-- Team Snap

Update on Our Ongoing Work to Combat the U.S. Fentanyl Epidemic

Last year, as part of our ongoing efforts to understand young people’s awareness of the dangers of fentanyl and the broader epidemic of counterfeit pills, we conducted a survey of young Americans and found that nearly half (46%) rated their average stress level as 7 out of 10 or above. Nearly 9 in 10 (86%) of respondents agreed that people their age feel overwhelmed.

By now, it is well understood and documented that the U.S. is facing a significant mental health crisis among young people. According to the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), in 2021, 37% of high schoolers reported poor mental health, while 44% reported they persistently felt sad or hopeless during the past year. 

This era of extraordinary challenges to emotional well-being has contributed to an epidemic of young people, including teenagers, turning to illicit prescription drugs as a coping mechanism. Tragically, drug cartels are preying on young people’s search for coping mechanisms, flooding the country with cheap, counterfeit prescription pills that are frequently poisoned with fentanyl, a powerful synthetic opioid that is 50-100 times more potent than morphine. According to the U.S. Drug Enforcement Agency, over 40% of illicit pills tested contained potentially lethal levels of fentanyl. 

Studies show prescription drug abuse is the fastest growing form of drug abuse among teens, with as many as one in six teenagers reporting using prescription drugs to alter their moods or other purposes. Across the nation, scores of Americans, including a growing number of young Americans, are dying from fentanyl after taking what they believed were safer, legitimate prescription pills.

According to our own study, about 15% of those aged 13-24 have abused prescription medicines, one in five have thought about doing so, and 40% know someone who has done so. Eighty-four % say coping with anxiety and stress is the reason they and their peers are turning to pills.

At Snap, we have always had a zero-tolerance policy against using our platform in connection with illicit drug sales, and have focused on combating the fentanyl epidemic in three key ways: by constantly improving our technologies for proactively detecting this content and shutting down drug dealers who abuse our platform; by strengthening our support for law enforcement; and by partnering with expert organizations to educate Snapchatters directly in our app about the horrific dangers of fentanyl. You can learn more about our strategy in previous public updates here and here

It’s been a year since we launched the first steps of our ongoing in-app public awareness campaign and we wanted to provide an overview of continuing work to address this crisis from every angle:  

  • We have engaged former heads of federal drug enforcement agencies to advise us on these efforts, and work closely with experts in counternarcotics, the law enforcement community, organizations focused on raising awareness of fentanyl and counterfeit pills, and parents. 

  • To further strengthen our support for law enforcement investigations, we have heavily invested in growing our own law enforcement operations team by 74% over the last year, with many of these new team members joining from careers as prosecutors and law enforcement officials with experience in youth safety. Last October, we held our first annual Law Enforcement Summit, with more than 1,700 law enforcement officials from federal, state and local agencies participating. 

  • We are investing heavily in AI and machine learning tools to proactively detect dangerous drug activity on Snapchat, and work with experts to find illicit drug-related content across other platforms that references Snapchat, so we can find drug dealers’ accounts and take swift action to shut them down. As a result, our detection volumes have increased by more than 25% since the beginning of the year, and 90% of identified violating illicit drug content is proactively detected before any Snapchatter has the opportunity to report it.

  • When we find illicit drug dealers using our platform, we promptly ban their accounts, and take steps to block them from creating new ones. We cooperate with law enforcement investigations, including by preserving and disclosing data in response to valid legal requests. 

  • We block search results on Snapchat for drug keywords and slang, and instead show educational content from experts about the dangers of fentanyl through an in-app portal called Heads Up. Our partners include the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), the Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA), Community Anti-Drug Coalitions of America (CADCA), Truth Initiative, and the SAFE Project. Since the launch of Heads Up, over 2.5 million Snapchatters have been proactively served content from these organizations. 

  • We have also added new measures to limit Snapchatters under 18 from showing up in search results or as a friend suggestion to someone else unless they have friends in common. This builds on protections we’ve long had in place that require teens to be friends with another Snapchatter in order to communicate directly.

  • We have launched several series of video advertising campaigns in our app to educate Snapchatters about fentanyl. Our first, launched last summer in partnership with Song for Charlie, was viewed over 260 million times on Snapchat. Last month, as part of National Fentanyl Awareness Day, we ran another set of in-app public service announcements, a national Lens, and filter that were viewed nearly 60 million times. 

  • Our in-house news show, Good Luck America, which is promoted on our content platform in Snapchat and is also available in Heads Up, has been covering the fentanyl crisis for more than a year through a special dedicated series, which has been viewed by more than 900,000 Snapchatters to date. 

  • As part of our larger strategy, we’re also committed to working with other platforms. We recently began a pilot program with Meta in which we are sharing patterns and signals of illicit drug-related content and activity. This signal-sharing program allows both platforms to bolster our proactive detection efforts in finding and removing illicit drug content and dealer accounts. We look forward to continuing this collaboration, with the goal of having other platforms join us as we work across industry to help combat the growing fentanyl epidemic. 

  • Last month, we announced that we’re teaming up with the Ad Council and other tech platforms, including Google and Meta, on an unprecedented public awareness campaign that will launch this summer to help both young people and parents learn more about the dangers of fentanyl. Learn more about this new campaign here.

  • As an app built for communicating with real friends, who are a critical support system for each other when dealing with mental health challenges, we continue to expand our in-app tools and resources on a range of mental health topics – a long-term and ongoing priority for us. (Learn more here and here). 

  • Additionally, we’re developing new in-app tools for parents and caregivers to give them more insight into who their teens are talking to on Snapchat, while still respecting Snapchatters’ privacy. We plan to roll these new features out in the coming months.

Taken together, we believe these measures are making Snapchat an increasingly hostile environment for drug dealers and we will continue to examine how we can keep meaningfully improving our efforts, knowing dealers will always look for ways to evade our systems. 

We also recognize that this issue goes far beyond Snapchat. Ultimately, the solution to this epidemic lies in a nationwide effort to address the root causes of this crisis, including the conditions that create such profound mental health challenges for young people. We will keep working with and listening to our community on this critical topic. Our long-term goal as a society must be nothing less than a world in which far fewer young people experience mental health challenges and those that do have equitable access to appropriate services and care, rather than feeling they must turn to illicit drugs. This will require a coordinated effort between government, law enforcement, the technology sector, health care services and more, and we are committed to doing everything we can to help support this goal. 

Mental Health Awareness Month: Announcing an Industry-Wide Campaign to Combat the Nationwide Fentanyl Epidemic

Over the past year and a half, Snap has been deeply focused on doing our part to help combat the broader national fentanyl crisis, which has continued to intensify during the pandemic. The Centers for Disease Control and Prevention (CDC) estimates that over 100,000 people died due to drug overdose in the 12-month period ending November 2021. And according to a recent study published in JAMA, 77% of adolescent overdose deaths in 2021 involved fentanyl. 

At Snap, we have taken a holistic approach to eradicating drug dealers from our platform, strengthening our support for law enforcement investigations, and educating Snapchatters about the dangers of counterfeit pills laced with fentanyl. Our work has involved working closely with parents, expert organizations, and law enforcement to continue to learn how we can keep strengthening these efforts.

To help inform our in-app education efforts, last year we commissioned research from Morning Consult to better understand young people’s awareness of fentanyl, and why they are increasingly turning to prescription pills. Our research not only found that young people were significantly unaware of the extraordinary dangers of fentanyl and how pervasive it is in counterfeit prescription pills, but it brought to light the strong correlation between the larger mental health crisis and the increased use of prescription drugs. Teenagers are suffering from high levels of stress and anxiety, and as a result are experimenting with non-medical, abuse of prescription drugs as a coping strategy. 

Through all of our ongoing work, it has become clear that a larger, industry-wide approach is needed to help educate both young people and parents about the dangers of fentanyl. 

Today we’re grateful to be collaborating with the Ad Council on an unprecedented public awareness campaign launching this summer to help Americans learn about the dangers of fentanyl. Snap, along with Meta and Google, will be funding this effort. With the help of additional media partners, we will also be donating media space and developing and distributing content designed to educate both young adults and parents on this growing fentanyl crisis. 

Additionally, we’re sharing updates on our continued work to crack down on drug-related activity by improving our underlying technology to better detect drug-related content, while continuing to increase public awareness through key partnerships and in-app educational resources. 

Since our last public update in January, we have put even stronger machine learning models in place for automatically detecting drug-related text, images, and emojis. As of March 2022, more than 90% of the dangerous drug-related content that we proactively detected using these tools has been removed within minutes.

We’re also expanding our educational resources for Snapchatters by: 

  • Welcoming new partners like SAFE Project founded by Admiral James and Mary Winnefeld – working to combat the nation's catastrophic addiction epidemic  – to Heads Up, our in-app portal that distributes expert resources to Snapchatters who search for a range of drug-related search terms and slang. Since the launch of Heads Up, over 2.5 million Snapchatters have been proactively served educational content from trusted expert organizations like Song for Charlie, Shatterproof, the Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA), the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), the Community Anti-Drug Coalitions of America (CADCA) and Truth Initiative.

  • Expanding our partnership with CADCA by collaborating with their National Advisory Youth Council to develop Heads Up resources specifically geared towards substance misuse, community engagement, and prevention advocacy.  

  • Teaming up with the Partnership to End Addiction – the nation’s leading organization dedicated to addiction prevention, treatment, and recovery – to develop a guide focused on educating parents and caregivers about the dangers of fentanyl, and provide tips for how to discuss the risks with their teens. This will be available in English and Spanish on the Partnership to End Addiction’s resource page and on Snap’s Safety Center. 

  • As part of our ongoing special Good Luck America series focused on the fentanyl crisis, in the coming weeks we will release our next episode featuring an interview with Dr. Rahul Gupta, the Director of National Drug Control Policy at the White House, to help Snapchatters understand the drug-overdose epidemic and its impact on young Americans. 

In addition to these new tools and resources, we are also updating our in-app reporting flow to make it even easier for Snapchatters to report harmful content – that way, we can act even faster to protect our community. We’re doing this by reducing the number of steps it takes to submit a report, providing detailed definitions of each reporting category so it’s clear what our corresponding policies are, increasing the number of reporting categories so there’s more specificity around the type of abuse that’s taking place and closing the feedback loop by letting Snapchatters know what take we take on their reports.

In the upcoming months, we will also be rolling out our new parental tools, with the goal of giving parents more insight into who their teens are talking to on Snapchat, while still respecting the teen’s privacy. 

Additional Efforts to Support our Community’s Mental Health and Wellbeing 

With Mental Health Awareness Month underway, we are also announcing a slate of new partners and launching creative and educational tools to help Snapchatters look after their mental health and wellbeing, and to support their friends. We believe this is especially important given the strong correlation between mental health and young people self-medicating. These efforts include: 

  • Participating as a partner in the White House’s first-ever Mental Health Youth Action Forum alongside leading mental health non-profits in an effort to empower young people to drive action on mental health. 

  • Serving as a Founding Partner of Mental Health Action Day. In an effort to remind Snapchatters to take care of their own wellbeing, we will launch a new augmented reality (AR) Lens that encourages Snapchatters to take a wellness break and participate in a breathing exercise. 

  • In addition, we’re adding new partners to Here for You, our in-app mental health portal, including The Jed Foundation, The American Foundation for Suicide Prevention, Movember, and the National Alliance for Eating Disorders.

As we roll out these additional resources, we continue to prioritize the mental health and wellbeing of our community every day. As an app built to help people communicate with their real-life friends – who we know are critical support systems for those experiencing mental health challenges – we will continue to develop innovative tools and resources to help Snapchatters to stay healthy and safe.